Portal Para a Morte

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

166 - Brincando no Escuro


     Lacro junto ao meu silêncio,
minhas pupilas não gentis.
Meu corpo entre concreto
já não é mais o mesmo.

Penso que nada mais existe,

que morrer, não é tão fácil quanto pensei.
Aperto mais e mais as pálpebras,
faces se transformam em monstros.

Sinto meu corpo metamorfosear-se:

da vida, a pedra do caminho,
da vida eterna, a alma
congelada em fogo lasso.

Tento abrir meus olhos,

a luz solar me é negada pela fadiga.
Da lucerna, uma visão.
A ilusão das visões dos sonhadores.

Nesta escuridão mortífera,

vultos gelatinosos sofrem mudanças.
Agregados, impostos pela razão,
anunciam o fim do presságio.

            
      Janice Adja

"Plágio é crime e está previsto no Artigo 184 do Código Penal".

8 comentários:

  1. Respostas
    1. Foi a mais infantil que consegui
      até hoje. Vou tentar outras.
      Quem sabe eu melhore rsrrr . Fazer
      poema para criança não é fácil.
      Gosto de brincar com as palavras.
      Você nunca brincou desta brincadeira?
      Então, feche os olhos e procure entender
      o que enxerga na escuridão. Por fim uma luz.
      Fico horas sem fazer outra coisa
      que não seja brincar no escuro.
      rsrsr.
      Um beijão.

      Excluir
  2. Brincar no escuro deve ser uma tarefa para poucos. Bom poema, Janice. Sincero e muito humano.

    ResponderExcluir
  3. Não!
    É para todos, desde que tenha imaginação.
    Acho que pode ser um mundo "Poliana".
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Olá amiga Janice!

    A foto realmente é muito boa. Gosto.
    No escuro, por vezes surge o obscuro, o medo.

    Beijinhos,

    Cris Henriques

    http://oqueomeucoracaodiz.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah! gosto do escuro e não tenho medo do escoro.
      Tenho medo do que consigo ver.
      Obrigado pela visita.
      beijos!!

      Excluir
  5. Presságio para a própria morte, acordada com a realidade (pessoas, carros, objetos)? Entendi? Abraços Janice.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Diego,claro que você entendeu. Cada um pensa de forma diferente.
      Quando escrevi eu lembrava de quando criança que ficávamos brincando de apertar os olhos. Ainda hoje costumo fazer isto e vejo objetos se transformando como gelatina.
      O importante é que você tenha sentido algo.
      Beijos!

      Excluir

Vamos movimentar este blogger.
Deixe seu comentário.