Portal Para a Morte

domingo, 27 de novembro de 2016

Os Invejosos

Os invejosos curiosos
simulam compaixão.

A doença espalha-se no corpo
como formiga ao sol.
Os invejosos
desejam meus dias 
de fragilidade mórbida?

Sobre o leito 
ao lado da janela que não existe
a enfermidade provoca
reações diversas
aos alimentos doces ou salgados
que ora faz expelir via oral
e ora via anal.

O pior momento é quando
as duas vias se unem
E formam uma violenta
via anal-bucal.

A intensa perda de sais
desidrata o organismo não imune.
Deixando a fraqueza 
amputar o desejo de viver.

A invejar 
não vai lhe fazer bem.
O segredo 
é que ela pode te matar.
                 Janice Adja

"Plágio é crime e está no Artigo 184 do Código Penal 9610 ."



domingo, 9 de outubro de 2016

32 - Redivivo




Manifesto com a dor e com lágrimas
a supremacia do meu espírito guerreiro
que espera silencioso o novo nascer do sol.

O inimigo rasteja impaciente
no percurso de toda a escuridão noturna
deixando uma história sem páginas escritas.

Redivivo nas gotas que a aurora
deixa cair copiosamente
sobre o verde que me abraça.

Descobro o meu destino 
no adormecer da escuridão das madrugadas frias
que antecede o próximo sol.


            
                               Janice Adja

"Plágio é crime e está no Artigo 184 do Código Penal 9610 ."

sábado, 21 de novembro de 2015

Dislexia



Para minha irmã sábia que não deixa por nem um momento que eu esqueça minha dislexia.


A minha dislexia,
não deixou que eu colocasse
no papel minhas palavras, nem
meus pensamentos inglórios.

As palavras vinham
e desapareciam da mente embaralhada.
O entendimento
me é furtado pela dislexia.

A minha dislexia,
não deixou que eu lesse
e arquivasse em minha mente
o que eu decifrava.

Condenada a impiedade
da ignorância de sábios!
Meus olhos não foram suficientes
para enviar informações necessárias ao cérebro.

Sou uma funcional
que "codifica códigos"
sem o dom da persuasão, e a ironia
é a minha defesa sempre.

                                                Janice Adja



"Plágio é crime e está no Artigo 184 do Código Penal 9610 ."





sábado, 31 de outubro de 2015

Quando Não . . .


Fotografia - Amélia Cabral

Quando não estou perto,
você lembra de mim
com muita saudade.

Quando não estou perto,
Você me veste de fada.
Uma fada indevassável!!!

Quando não estou perto,
comigo sonhas acordado
até o tempo ficar parado.

Quando não estou perto,
você lembra de mim
e seu sorriso me sorri.

Quando não estou perto,
teus sonhos infantis
são esquecidos
e caminhas pelo vale da morte.

Quando não estou perto,
para não morrer
a saudade te abraça.

Com saudades, 
as  lembranças minhas
te leva a plenitude.

Na verdade,
você nunca me esquece.

            Janice Adja

"Plágio é crime e está no artigo 184 do Código Penal 9610".

sábado, 26 de setembro de 2015

Morrer de . . .


Ontem alguém morreu.
Hoje e amanhã. . .
vai saber!!! ??? . . .
A saúde no país
vai muito mal.
Alguém vai ter que morrer de :
raiva, cachaça de cachorro
medo, timidez, loucura
virose, sarna, sabedoria
cirrose, gritos, olho gordo
até mesmo de tanto chorar,
alguém vai ter de morrer de depressão,
vai morrer de tanto vomitar,
afogado no próprio vômito,
morrer de unheiro, frieira,
pau de arara, conjuntivite
vai morrer de tinhas,
ansiedade, tensão, choque,
repressão, pancadas,
terrorismo familiar, pânico,
de rugas, silicones, vaidade.
Vai morrer gente com medo
do bicho papão,
e quem não morrer
ficará vendo TV.
Apenas esperando,
esperando, . .  esperando.
Vai besta, espera!!!

            Janice Adja
"Plágio é crime e está no artigo 184 do código Penal 9610".

sábado, 1 de agosto de 2015

Solidão



Solidão,
nem sei se é um lugar
ou se é um sentimento.

Quero ficar só.
Se quero ficar só
e sozinha não estou conseguindo,
será. . . que só ficarei só no tumulo?
ou. . . a vida
vai me oferecer esta solidão?
. . .ou será na rua?
ou quem sabe em casa?
Na praça!
Será?

Quero a solidão.
Ficar longe das vozes humanas,
dos ruídos das pessoas.

A solidão
me deixa sem um pensamento preso.
Às vezes repleta de ideias.
E na maior parte do tempo
de saco cheio das ideias.

Meu coração sem um tórax,
meu pulmão sem o ar,
meus rins sem a urina
e mesmo assim não estou livre.

É a liberdade que quero!
Só a solidão pode me oferecer.
Solidão é liberdade.
E é só isto que quero.
Só isto.

Janice Adja
       

                                                  "Plágio é crime e está no Artigo 184 do Código Penal 9610."

domingo, 4 de janeiro de 2015

"Bússola do Terror"

Este poema foi escrito para meu amigo "Bússola do Terror"

Fiquei feliz com sua visita. 
E para você 
que foi o único 
a me deseja um feliz ano novo 
estou aqui para retribuir tamanho gesto. 
Vem surgindo um novo ano 
e com ele um turbilhão de acontecimentos bons, 
e que você sobressaia com as mais brilhantes ideias, que cada dia seja sequenciado 
de realizações dos sonhos do dia anterior. 
Que a cada raiar do sol 
você consiga brilhar junto com ele. 
Que quando vier a chuva, 
que seja para lavar as impurezas 
que a vida deixa por onde passa.
Quando estiver na escuridão,
naqueles momentos 
que não enxergamos um palmo a frente dos olhos, que seja apenas 
o tempo do repouso dos sentidos do corpo. 
E este momento abençoado 
seja abençoado pela bondade, 
tranquilidade, 
paz, atenção, 
firmeza, sonhos, harmonia,
luz, felicidade, 
e tudo mais que tiver nesta vida. 
Inclusive a tristeza para fortificar o espírito.
Beijos!!!!!    

          Janice Adja 

                   "Plágio é crime e estar no artigo 184 do Código Penal 9610."

terça-feira, 29 de julho de 2014

127 - O Suicida


O apego pela morte
é regida pelo caráter oscilante ou não.
A sombra do suicida
vive na escuridão extensa do breu.

Esta inclinação para a morte
acompanha o ser vivo-morto
no seu tempo de lucidez embriagada.

A mente oscilante do suicida 
faz de sua vida, uma vida sórdida. . . melancólica.
Semelhante a vida de qualquer
outra pessoa que se diz "estar bem".

Possuidor de pertubações coesas
e de contexto ansioso, o suicida
adquire imagens que variam em formas e cores.
Depende apenas do humor, do abandono,
e do grau da frieza dos outros corações.

Descobrindo a tristeza,
torna-se o maior conhecedor do desespero intenso
da desesperança, da culpa, da melancolia, da ira. . . 
e da morte.
Seu objetivo final!!!

Irrefreável, procura a morte.
Cada pensamento homenageia a morte irrefutável. 
Deixando seu coração lhano.

Não são seus pensamentos suicidas
que amaldiçoa seus dias.
Esta tendência suicida
fortalece seus sonhos mórbidos. 

O suicida
aplica nos desejos a consciência
de poder sentir a morte
em seu momento de êxtase.

Sua missão é ter agilidade
no momento da execução.
Possuidor de profunda firmeza 
na falta de esperança
e de sentimentos contraditórios.

Sua vida deprimente, encarrega-se da censura.
 Tem necessidade de dizer ao mundo:
- Viver é lindo!!! E é difícil suportar dificuldades,
humilhações, e os risos de canto de boca.

O suicida é rico de sentimentos, é inteligente
e seus últimos momentos é dedicado para os que amam.
Faz alusões para a morte
que o acolhe de braços abertos.

Faz necessário morrer
e deixar linhas melancólicas de adeus.
Personifica os dia frios 
deixando escuro e sem calor seus sentidos.
Sem reflexões e sem ideais
constrói seus excessos na vida.

Sem desejo ou experiências, 
transforma-se em profissional
sem profissão e de sorriso irônico.
Maneira sinistra de sobreviver.

Aproveita momentos para gargalhar
e se enche de consequência funesta. Tem
inclinação para viver a mesquinhez alheia
e supera a baixeza e a inconstância dos outros.

Com cada aurora, descobre um lado bom da vida
e dela tira proveito próprio.
Construindo um escudo com o cinismo cínico.

Desagradável!!! . . . confesso.

A vida deixa sabor mordaz,
e eu quero apenas ser eu mesma
no presente e no futuro.
Por fim, 
descobri que todos os caminhos nos levam a morte.

                                                  Janice Adja
                                                                 "Plágio é crime e estar no Artigo 184 do Código Penal 9610."


quinta-feira, 19 de junho de 2014

Como Um Porão

Imagem de arquivo.

Na espera do primeiro sol,
durmo neste paço úmido
e de frio congelante
onde o érebo, 
não deixa meus olhos enxergarem.

Estou lançada no mundo.
Quem sabe submundo!
É um tártaro  de poucos moradores.

Estou condenada neste hades
como a pior dos pecadores pagãs.

As Fúrias,
vigiam meus passos enquanto Tântalo
guardado em perversidades
desfruta da confiança dos Deuses.

Sou a terceira filha do caos,
a que mais recebeu energia vazia.

Um corpo sem sepultamento
a espera de óbolo doado
que possa salvar minha alma
neste trajeto dos mortos.

Viva-morta no escuro vivo.

E neste mundo inferior onde
a fedentina do mofo atrai 
os mais nojentos insetos,
estou vivendo.

O desejo do suicídio 
não é tão nauseante quanto o ar que respiro.

O ar que respiro é podre e fede,
tem fungos que se locomovem.
É uma experiência sinistra.

Ruflam os tambores do juízo final!!!

E a minha sanidade mais odiosa
me faz ver
que viver é amedrontador 
e sem graça para provocar risos.

Um humor mordaz!

O ar que respiro é de
auto-degradação degenerativo.

Fico sem forças,
a garganta queima, 
a escuridão não me deixa ver
e passo o dia sem a luz do sol.
Quase morta, e. . .
quase enterrada viva
ainda consigo agradecer a "arte da dissimulação".

                                                                            Janice Adja

                                      "Plágio é crime e está no artigo 184 do Código Penal 9610".











sábado, 29 de março de 2014

Medo da Noite

Imagem retirada do googler
Neste barulho intenso da noite
ouço apelos de "Socorro"
Gritos de: -Deus me acuda!
Prantos oriundos vindo do nada.

Ignorada toda a noite,
calo o pranto em medo.
No escuro da liberdade, 
adormecida no frio 
que rasga o corpo sem sangrar.

A noite assombrada em mistérios
não deixa dormir os insones.
O medo me deixa ouvir e ver
 o inexistente que me assombra.

A fadiga toma conta do meu corpo
desprotegido do frio e do descaso.
É dia. Tudo volta ao normal.
Meu corpo expulsa a fadiga fadigada.

             Janice Adja
"Plágio é crime e está no artigo 184 do Código Penal 9610".

sábado, 9 de novembro de 2013

Certamente

Imagem do meu arquivo pessoal - Blogger olhaoquevi.blogspot.com
 




 Aquilo que não exterminamos
certamente já foi um grande desejo um dia.
Independentemente do tamanho do céu!
Aquilo de que nunca sentimos saudades
certamente, é porque nunca foi vivido
com a intensidade da sua natureza.

Quando a alegria e a dor
andarem de mãos dadas
certamente, a dor atropelará a alegria.
Juntas cairão ao solo em gargalhada.

Se seu coração for tomado
pela indiferença
certamente, é chegada a hora de morrer.
Então . . . morra.
   
        Janice Adja

"Plágio é crime e está no Artigo 184 do Código Penal 9610".

sábado, 27 de abril de 2013

O Eixo

Imagem do arquivo pessoal.

Da morte de onde vim,
nada aprendi.
Apenas olhei do eixo tenaz
a dança do "Puntillero".

Um demônio falto de dor,
consumido pela ambição congênita
que o corvo ao nascer abominou
em seu calvário de satanás.

Olho a lazeira que vives, sinto
a náusea cruel da tua vida amargurada.
Cultivas no coração a clavina,
que te matará com um só desgosto.

Fui empurrada do eixo,
caí nódoa e sem esmo
para viver em nível,
sem dor e sossegada.

                Janice Adja

"Plágio é crime e está previsto no Artigo 184 do Código Penal".

sábado, 20 de abril de 2013

Desagradecidos da Vida



Imagens do arquivo pessoal.


Fartos desta poeira
que empoeira o ar,
todos rezam a ladainha.
palavras que se vão no ar.

Reza a rendeira, a lavadeira,
O homem de terno e o operário.
Invocações que se vão no ar,
sem alvíssaras e sem andor.

Sem serem ouvidas, as súplicas
dilaceram gargantas e vidas.
Igualmente a guerra
sem maledicência.

Morre o menino de corpo débil
sem verde e sem lerca.
De vida lacônica e triste
provido de lengalenga política.

Moça bonita abrigada no farrancho,
fávea gasta e descurvada a morte.
Fala latinada, rica em reuma,
de respiratório fatigado e sem fastio.

Corre o garoto de barriga grande,
olhos feridos de calos nos pés.
Cresce o menino no seu fartum,
desigual a qualquer um.

Dor que sofre de tanta dor.
Anjo negro que destripa o mico
nas vidas sofridas e empoeiradas,
onde ricas vidas
não agradecem a vida.

                      Janice Adja 

"Plágio é crime e está no Artigo 184 do Código Penal".

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Minha Thiago

Imagem do arquivo pessoal.
                                                          necropoless.blogspot.com



Conciliar sem açular tua alma
para que não me comas.
Atitudes insólitas, criadora de insídias, e
regente da orquestra noturna do inferno.
Acentuadamente agressiva,
espécime pequena do demo.
Faz delações dos que aqui entram
sem direitos em funções alheias.
Mirifico delinquente nato.
tratada com cuidado sem violência.
Estabelecida de instruções secundárias,
com atavismo em provocar irritações.
Ocultamente sem ruídos,
em seu terreno destinado ao lazer.
Lugar onde recebe vitaminas solares,
brinca e pula matando ratos e lagartixas.
Criatura perrengue do inferno
que vela o repouso dos meus sentidos.
No espaço demorado da escuridão,
acalentada na parte inferior do meu leito.
Este ser cultivador de insetos:
hemípteros parasitas e hematófagos.
Saltitantes perturbadores do sono tranquilo
de todos que te abrigam.
És dos quadrúpedes a mais bela espécie,
um ser amigável, brincalhona e rixosa.
O quadrúpede que Janaina me deu.
Esta cadela chamada Thiago.

               Janice Adja 

          "Plágio é crime e está no Artigo 184 do Código Penal 9610."

sábado, 23 de fevereiro de 2013

Intimação


Imagem do arquivo pessoal.
Intimei minha vergonha 
a não pensar em você.
Não consegui.

Intimei a minha dor

a não sentir por você.
Foi em vão.

Jurei.

Jurei não morrer.
Morro a cada instante.

Procuro a fórmula

da vida eterna.


Nada encontro.
Tranco em meu corpo
a lágrima da dor
que  escorre no rosto,
lavando a face em dor.

Lentamente,
vou perdendo a vontade
de não te ver.
Vejo que és o único.
 A única pessoa da terra
por quem não morrerei.
Resolvo sonhar e não sofrer.
Não te amar e não morrer.

             Janice Adja

"Plágio é crime e está no Artigo 184 do Código Penal 9610".

sábado, 2 de fevereiro de 2013

Sacrifício a Deus

Imagem do arquivo pessoal.


Apática estou
diante do teu corpo ainda criança.
Que vida Deus me atribuiu
levando teu sorriso.

Deus! . . . Que Deus é este
que sequestra filhos?
Que Deus impiedoso é este,
gerando vidas e mortes?

Não permitindo teu crescimento,
arrebentando-te dos meus braços
desviando assim tua vida
e aprisionando-me no mundo restrito.

Trapaceada pela dor
que inapreciável vivo.
Dor que lacta minha alma
enfatizando-me a psicastenia.

És o meu sacrifício a Deus,
sem o direito da opção.
Pregarei a te, Deus,
minhas orações de súplicas.

Deus, . . . Deus, Deus, Deus,
 se és de verdade,
verdade verdadeira,
livra-me deste martírio
onde vivo o hoje atípico.

                Janice Adja

Plágio é crime e está no Artigo 184 do Código Penal 9610."

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Da Janela


Da janela, observo o desperdício que o universo humano, transformador de lixo.
Foto do arquivo pessoal.

De tanto o muito ser pouco
o muito virou sucata.

O perto para quem ama
ficou mais longe que o fim da estrada.

De tanto olhar o feio
o feio ficou amável.

O dia que era longo
ficou curto para quem trabalha.

Do alto tudo se vê
de perto não vejo nada.

O céu de grande espaço
hoje só vejo um quadrado.

            Janice Adja

"Plágio é crime e está no Artigo 184 do Código Penal 9610."
Foto do cárcere onde estou vivendo os meus últimos dias.

domingo, 18 de novembro de 2012

O Tempo das Velas

Imagem do arquivo pessoal.

Enquanto durmo,
as velas queimam
iluminando meu sono
de futuro escuro.

No tempo em que durmo,
o céu fecha a cortina
com a tempestade de um tsunami.
E as velas queimam
iluminando meu sono.

Enquanto durmo,
corvos e borboletas loucas
disputam voando
um lugar no espaço.
E as velas queimam
iluminando meu sono.

No tempo em que durmo,
o sol não queima minha pele
e transpiro o enxofre do corpo.
E as velas queimam
iluminando meu sono.

Enquanto durmo,
meus pensamentos não mudam.
E as velas queimam
iluminando meu sono.

No tempo em que durmo,
pessoas seguem ao túmulo
com os olhos encharcados de medo.
E as velas queimam 
iluminando meu corpo
no ritual desta necrolatria.

Enquanto durmo,
o sol deixa o céu vermelho.
E as velas,
já não queimam 
iluminando meu corpo.

Janice Adja

"Plágio é crime e está no Artigo 184 do Código Penal 9610."

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Melancolia

       


Melancolia,

é um estado depressivo,
é uma vontade imensa de
ficar no parapeito olhando
a vida acontecer
sem interferir e nem ser notada.

É quando o silêncio grita mais alto e você não percebe que já morreu.


                         Janice Adja.



                       "Plágio é crime e está no Artigo 184 do Código Penal 9610."













domingo, 23 de setembro de 2012

Promessas

Imagem do arquivo pessoal.

Abjurarei a mais fecunda terra
os extratos mais doces
e não exorarei por ti.

Voarei como uma fênix
que cuspirá o fel
dos urubus apavorantes.

Com a florente em meu seio
funesto e implacável,
fossilizarei meu corpo
fornido com minha tristeza,
teu engano,
tua ira
e teu orgulho
que provoca lácrimas
em tua face.

Como arma letal,
incruento,
mata-me.

Deixo a lacuna
que purificada de tanto amor
no calaboiço, importuna teu sono.

               Janice Adja

"Plágio é crime e está no Artigo 184 do Código Penal 9610".

domingo, 22 de julho de 2012

Escuro Exílio

Imagem do arquivo pessoal.


Sai desta escuridão que te importuna,
da poeira deste exílio
do império do nada.
Livra-te do beijo da micose.

Tu,
um algoz teimoso
idolatrando o demônio maldito
que te fere as costas,
que gargalha as escondidas,
que amaldiçoa a comida
sugando do teu corpo
a alma desprevenida.

Tu,
que fechas vidas
para entrar na escuridão.

Tu
tens no pensamento meu corpo
e tudo te faz lembrar de mim.

             Janice Adja

"Plágio é crime e está no Artigo 184 do Código Penal 9610."